Reflexões

Sobre a vida como um dom e um prodígio

Assim vivemos e morreremos, para ser, para ter e para dar alegria, por nós e pelos outros, que amamos a vida como um dom e um prodígio. Compartilhar a liberdade, a dignidade e a esperança em cada milésima de tempo disponível é alegrar a vida, mantê-la prazerosa e útil, com senso de comunidade com aquilo que vive e com aquilo que se vive: a luz, o ar, a terra e a água. Mesmo que tenhamos morrido, a alegria compartilhada fica e se espalha.

Betsy Salazar

Sobre o interesse dos acionistas de empresas

Se bem que os acionistas tendem a investir nas empresas que são geridas de acordo com seus interesses, nem todos têm os mesmos interesses financeiros de curto prazo. Se eles não gostarem do jeito de gerir a empresa, podem vender suas ações. De fato, a posse média de uma grande firma cotada em bolsa é de menos de três meses. E aqueles que queiram maximizar seus lucros possivelmente as possuam por prazos ainda menores. É uma falácia alegar que os acionistas desejam o bem-estar da empresa. As ações são um instrumento para o aumento da sua riqueza. A maioria absoluta deles não tem nenhum outro compromisso com o futuro da empresa.

Antonio Vives

Sobre brigarmos entre nós

Nós viemos de uma onda neoliberal que destruiu o Estado e o associativismo como ideia. Aquela nos disse que o homem era um lobo e que, como lobos, tínhamos que brigarmos entre nós.

Mario Cafiero

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *