Reflexões

Sobre a China do século XXI

Em um país como a China, com 5000 anos de história e uma população de mais de 1,4 bilhão de pessoas, nenhum manual pode se considerar uma regra de ouro e não há um maestro que possa dar ordens ao povo. Mudaremos decisivamente aquele que possa ser reformado e não mudaremos, decididamente, o que não possa sê-lo. Devemos reforçar o desenvolvimento da economia estatal e, ao mesmo tempo, alentar, apoiar e guiar o desenvolvimento da economia não estatal. A China nunca crescerá às custas dos interesses de outros países mas nunca renunciará a seus direitos e interesses legítimos. O desenvolvimento da China não é uma ameaça.

Xi Jinping

 

Sobre a verdadeira corrupção

Se as esferas do mercado e da política existissem como âmbitos diferenciados que se regem por lógicas distintas, então a verdadeira corrupção é permitir que a primeira tome controle sobre a segunda. Perdoar as dívidas de empresas com o Estado, financiar a fuga de capitais privados com dinheiro público, reduzir impostos de exportadores em contexto de déficit fiscal, privatizar empresas a preço vil, contrair dívida pública a taxa usurária, são todas expressões dessa espécie de corrupção. À diferença da outra, a individual, esta corrupção que podemos chamar sistemática, é dificilmente judicializada: tudo isso se pode fazer através da sanção de leis, com respaldo midiático e com o beneplácito judicial. Então, o sistema republicano entre em total colapso, porque a lógica do negócio amoral se impõe em todos os âmbitos da vida social.

Cecilia Cross

 

Sobre a ilusão de uma comunicação equidistante

A ilusão sobre empresas e empreendimentos de comunicação como entes equidistantes e alheios a todo interesse setorial, como se estivessem tocados pela virtude de trabalhar pelo bem comum, está desacreditada e fidedignamente desmentida em escala universal.

Hugo Muleiro

Deixe uma resposta